Gêmeos

 In poetry

Esta joia homenageia minha irmã gêmea
que conheci aos trinta – ela também.
Juntas, tornamo-nos sessenta.

Brincadeira de gêmeos
Desde o ventre
Até grisalhar.
Que inveja dos gênios:
Livres para jogar,
Descobrem siameses
No longo durante
– Eterno prazer!

Irmãos nunca amputados,
Apenas desconhecidos:
No reflexo, míopes,
Supunham ver a si.
No silêncio de zumbidos,
Compunham autodidatismo:
Amizades invísiveis,
Cama de gato com os pés,
Pimponeta com o espelho.
No pensamento alto,
Julgavam-se autistas;
Tão rico diálogo,
Sem respostas expressas
– As menos corretas.

Ingênuo o gêmeo que
Não engendra seu gênio
E gera só partes,
Sem juntá-las em joias
Que o homenageem.

Recommended Posts
Comments
  • perla
    Reply

    que bonito, filha.

Leave a Reply to perla Cancel reply

%d bloggers like this: