7 passos para enfrentar a crise

 In auto-ajuda, sociedade

Crise é um germe. Um germezinho que vai crescendo, e não adianta pisar em cima nem varrer pra baixo do tapete. Na verdade, o germe se alastra com mais força e rapidez quando abafado. Às vezes até se pagam milhões para silenciá-lo. Quem evita dar ouvidos ao germe, de repente beira o ensurdecimento com os berros de um monstro. A crise divide um antes de um depois; o monstro está aí e nada mais será como antes. Só nos resta pensar no depois, agindo agora.

Para tanto, pesquisadores da University of Livingroom no estado de Myownhome, em colaboração com o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa e outras fontes não-rastreáveis, desenvolveram um manual de sobrevivência a partir de 7 aforismas, compartilhados abaixo com exclusividade:

 

  1. Crise é o momento que define a evolução de um quadro, que geralmente é feio; uma doença. Uma evolução para pior ou para melhor. A direção depende de diversos fatores, mas germina dentro de cada um. Se você optar pela direção “melhor”, leia o próximo passo.
  2. O termo crise provém, de acordo com algumas fontes inexistentes, do francês “cri”, que significa grito. Grita-se quando não é mais possível conter determinadas emoções. Raiva, ultraje, insatisfação, inconformidade, desespero. O grito é catártico e, por isso, necessário para o bem-estar. Gritou bem alto? Siga com o passo 3.
  3. Crise é crítica. Crítica não apenas no sentido de gravidade, mas de criticar. Somos obrigados a usar nossa capacidade de julgamento, discernimento, para não afundar no sentido da gravidade. Se você se julga capaz de sair da lama, acompanhe o passo seguinte.
  4. O germe da crise tem antídoto: o crisol. Trata-se de um recipiente para misturar e experimentar com substâncias químicas, e mesmo explosivas. O número de explosões das cobaias aumenta de acordo com seu grau de resistência a mudanças. Se você se dispõe a mudar sua vida antes que a mudem por você, vá para o passo 5.
  5. O germe da crise tem tratamento: o crisol de novo. Em sentido figurado, é “lugar ou circunstância apropriada para evidenciar as melhores qualidades de algo ou alguém”. Se você acredita que pode melhorar o mundo e que essa melhora depende de suas próprias ações, leia o passo 6.
  6. Experimentos com o crisol nas últimas décadas têm demonstrado a transformação da palavra crise em criatividade. Foram adicionadas no crisol da crise as palavras criação e atividade, e os resultados têm se mostrado diversos e promissores. Se você é aberto o suficiente para diferentes pontos de vista e soluções, observe o último passo.
  7. Criação e criatividade pressupõem ação e atividade; comunicação; sair do próprio umbigo para agir no mundo afora. Crise é o momento de cruzar ideias, experiências, gritos, para formar resistência, transgredir estruturas e transformar quem somos, juntos. Dos cruzamentos da crise crescem crisântemos.

 

O germe da crise se instala em cada um de nós, germinando pêsame ou pétala.

Viralizando pétalas criaremos, da crise, crisântemos.

Crisanteemos.

Recommended Posts

Leave a Reply / Deixe seu Comentário

%d bloggers like this: